Em agenda no Acre, comitiva da Finep e Garanticoop conhece agroindústria da Cooperacre

Representantes da Financiadora de Pesquisa e Projetos de Inovação (Finep), instituição ligada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação e da Garantidora de Crédito Garanticoop, conheceram na sexta-feira, 20, a agroindústria a Cooperativa Central de Comercialização Extrativista do Acre (Cooperacre).

A comitiva veio ao estado para apresentar portfólio de projetos, ações e linhas de crédito que podem ser acessados por cooperativas, empreendimentos de economia solidária e empresas. A agenda foi articulada e organizada pelo Sistema OCB, Escritório da Sudam em Brasília e a superintendência do Ministério do Desenvolvimento Agrário e da Agricultura Familiar (MDA), no Acre.

O chefe do Escritório da Sudam em Brasília, Sibá Machado, responsável pela vinda da comitiva da Finep e Garanticoop ao Acre, explicou o objetivo da missão no estado.

“Estamos nesta missão de trazer instituições do governo federal que possam ajudar cooperativas, empreendimentos da economia solidária, empresas, a acessarem recursos que possam potencializar este setor no estado. Nossa articulação objetiva facilitar o acesso a linhas de créditos disponíveis nestas instituições, podemos impulsionar o setor produtivo, estas instituições possuem crédito barato, mais fácil de acessar e garantias”, explicou.

A Finep oferece crédito para inovação e linhas de difusão tecnológica destinadas à modernização e aumento de produtividade das cooperativas. As principais linhas de crédito da instituição incluem inovação pioneira; inovação para competitividade e difusão tecnológica para inovação. Já a Garanticoop, é um sistema garantidor de crédito cuja missão é viabilizar o acesso ao crédito de qualidade, com a promoção de inclusão financeira, facilitando a regularização fundiária e a oferta de garantias patrimoniais, além de linhas de repasses, especialmente para a agricultura familiar através do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF).

O presidente do Sistema OCB, Valdemiro Rocha, destacou a oportunidade dessa agenda para o fortalecimento das cooperativas e o crescimento na geração de trabalho e renda.
 
“A OCB foi uma das articuladoras desse encontro, que é uma grande oportunidade para que todas essas cooperativas, sejam agropecuárias, da área de economia solidária, de trabalho, de saúde, possam conhecer as linhas de crédito disponíveis e como é que podem acessá-las. Além de fortalecer o crescimento dessas cooperativas, esse momento vai servir também para aumentar a geração de ocupação e renda no nosso estado”, disse.

Para o superintendente do MDA no Acre, Cesário Braga, a união de esforços das instituições na busca por alternativas para o desenvolvimento do setor produtivo no estado é o ponto principal desta ação. “Estamos seguindo a orientação do nosso presidente Lula de unir esforços para buscar alternativas que possam ajudar nossas cooperativas, empreendimentos da economia solidária e as pequenas empresas a terem acesso ao crédito e investimento e assim fazermos a roda da economia girar, disse.

Na oportunidade, o superintendente Manoel Monteiro apresentou à comitiva a estrutura da cooperativa e os investimentos realizados na agroindústria e na fábrica de polpa de frutas, que está em obras, prevista para ser inaugurada em novembro deste ano, cujo investimento ultrapassa R$ 60 milhões. “Nossa missão é desenvolver atividades produtivas sustentáveis, com valorização dos produtos florestais não madeireiros, acreditamos que esse é o caminho para se alcançar a sustentabilidade na Amazônia, enfatizou o superintendente da Cooperacre, Manoel Monteiro.

A Cooperacre é uma cooperativa acreana com mais de 20 anos de atuação, que vem consolidando como modelo de negócio que alia a sustentabilidade ambiental através da bioeconomia, com geração de renda. A prática extrativista adotada pela rede de cooperativas concilia a geração de renda para mais de quatro mil famílias e a manutenção da floresta em pé, e busca alternativas que possam potencializar a produção agroflorestal e consolidar cadeias produtivas sustentáveis.

Atualmente, a Cooperacre exporta para mais de 10 países e possui 22 associações e 13 cooperativas que trabalham com as cadeias produtivas da borracha, castanha-da-Amazônia, café, palmito e polpa de frutas.

Volume de negócios e geração de renda

Em 2023, a Cooperacre movimentou 73 milhões de reais em bioeconomia, gerando 240 empregos diretos, beneficiando diretamente quatro mil famílias, tendo atualmente 2.343 cooperados.

Texto: Andréia Oliveira

Fotos: Luã Braga

Compartilhe

Deixe seu comentário

ÚLTIMAS NOTÍCIAS